Que tal usar um aplicativo para auxiliar a escovação dental do seu filho?

Alguns aplicativos podem ajudar bastante. Sabiam? Disney Magic Timer da Oral-B ajuda o seu filho a escovar os dentes sem pressa. Após baixá-lo, clique no botão PINCELAR e um cronômetro de 2 minutos rodará na tela. Enquanto seu filho escova os dentes (com a supervisão de um adulto) uma música tocará e um desenho surpresa vai sendo revelado na tela do seu celular ou tablet. Super legal!

*ATENÇÃO: muito cuidado ao manusear aparelhos eletrônicos próximos da água. Risco de choque!

Veja mais em: https://www.youtube.com/watch?v=OsZ4k5Oqvfo

Afinal, qual escova de dente comprar?

Sempre bate aquela dúvida, então vamos apresentar algumas escovas dentais disponíveis nos supermercados e farmácias e destacar os pontos importantes. *Atenção, isto não é merchandising!

A PRIMEIRA ESCOVA

Cuidados são essenciais para escolher a melhor escova para o bebê.


Oral-B Stages 1: 4-24 meses
Cerdas BEM macias e o cabo longo facilita a preensão do adulto para a escovação dos dentes do bebê. Limitação: a cabeça desta escova dental pode ser um pouco grande para algumas boquinhas dos bebês.
My First Colgate, 0 a 2 anos
Escova EXTRA suave, com o cabo anatômico, porém de comprimento menor, o que pode dificultar a preensão por um adulto.

Baby’s Brush – Escova de dentes para bebê MAM 6 +
Este novo modelo pode dificultar a utilização pelos pais devido ao comprimento menor do cabo

CK 4260 CURAkid – 0 a 6 anos
Possui cabeça anatômica e cabo num tamanho intermediário. Diferencial: indicada para bebês e crianças maiores (até 6 anos de idade).

SEGUNDA ESCOVA

A partir desta idade, a escolha do personagem da escova de dente ganha mais importância e serve até como um estímulo, mas não podemos esquecer que é fundamental escolher uma escova de cerdas bem macias e fazer a troca periodicamente.


Colgate® Smiles Personagens 2 a 5 Anos

Escova Dental Infantil Oral-B Stages 2: 2-4 anos

TERCEIRA ESCOVA

Última escova da fase infantil.


Escova Dental Infantil Oral-B Stages 3: 5-7 anos

Escova Colgate Smiles personagens 6+
Escova Bitufo Personagens acima de 5 anos

Já escolheu a sua? Então boas compras! 😉

*Atenção: verifique a idade indicada em cada embalagem

Dra. Tássia, o que é fluorose?

Imagem: Dicas Odonto

Intimamente ligada à ingestão excessiva de flúor, a fluorose caracteriza-se por manchas (estrias) esbranquiçadas que aparecem nos dentes permanentes. Em casos severos, ocasiona a perda de estrutura dentária. “O flúor é um benefício maravilhoso, mas precisa ser usado com cuidado”, Mary Hayes, Odontopediatra de Chicago.

Estudos realizados no Brasil, indicaram uma alta prevalência de fluorose em crianças de Teresina – Piauí (Moura et al., 2016); prevalência estacionária entre 1998 e 2010 na cidade de São Paulo (Narvai et al., 2013) e baixa prevalência no sul do nosso país (Azevedo et al., 2014).

Nos Estados Unidos, pais de mais de 5 mil crianças de 3 a 15 anos foram entrevistados e concluiu-se que 40% das crianças norte-americanas entre 3 e 6 anos costumam encher a escova com o creme dental –  fato super perigoso para desenvolver a doença.

Mas, lembrando que somente o EXCESSO de flúor é prejudicial. A exposição ao flúor da água potável, o consumo de alimentos preparados com água fluoretada e a escovação diária com creme dental com flúor podem ser recomendadas para controlar a progressão da cárie em nível populacional (Aimée et al., 2017).

Leia + sobre o assunto aqui no Descomplica: https://descomplicaodontopediatria.com/2018/07/16/descomplicando-o-fluor-na-agua/

https://descomplicaodontopediatria.com/2018/04/28/dra-tassia-qual-a-quantidade-de-creme-dental-devo-usar/

Bibliografia consultada:

Epidemiological surveillance of dental fluorosis in a city with a tropical climate with a fluoridated public drinking water supply; Moura et al., 2016.

Dental fluorosis in children from São Paulo, Southeastern Brazil, 1998-2010; Narvai et al., 2013.

Factors associated with dental fluorosis in school children in southern Brazil: a cross-sectional study; Azevedo et al., 2014.

Dental caries, fluorosis, oral health determinants, and quality of life in adolescents; Aimée et al., 2017.

https://revistacrescer.globo.com/Criancas/Saude/noticia/2019/02/40-das-criancas-usam-mais-pasta-de-dente-do-que-deveriam.html

Devo mascar chiclete?

De vez em quando sim! O chiclete, desde que seja SEM AÇÚCAR, pode auxiliar à higiene bucal. Ele estimula a salivação em até 10 vezes, aumentando a lubrificação da boca e neutralizando os ácidos produzidos pelas bactérias que causam a cárie. E se estiver escrito na embalagem da goma de mascar que ela contém xilitol ou sorbitol, melhor ainda! Na presença desses adoçantes as bactérias NÃO conseguem fazer a fermentação (como acontece com o açúcar) e os dentes ficarão protegidos. Mas, nada de trocar a escovação após o almoço pelo chiclete, hein?


É mito ou é verdade?

Sabe aquela dúvida sobre a saúde bucal que você não responde com muita certeza? Vamos acabar com isso!

Mito ou verdade Escovar os dentes adequadamente é a melhor forma de prevenir a cárie?

VERDADE A escovação deve ser feita sempre após as principais refeições, com escova de cerdas macias, arredondadas e de cabeça pequena para não traumatizar gengiva, bochecha e língua e ainda facilitar a limpeza dos dentes posteriores. Higienizar a língua e utilizar o fio dental também são fundamentais!

Mito ou verdade – Uma vez tratada a cárie não reaparece?

MITO Quando tratada, a cavidade do dente é restaurada. No entanto, se o indivíduo continuar não cuidando da higienização bucal, poderá surgir nova cárie ao redor da nova restauração (foto abaixo).

fstdsgdfh

Mito ou verdade – Goma de mascar sem açúcar ajuda no combate a cárie?

MITO A goma de mascar sem açúcar não provoca a cárie, mas também não ajuda a preveni-la.

Mito ou verdade – Toda cárie provoca dor?

MITO Nem toda cárie provoca dor. Em muitos casos, manchas brancas ou pequenas lesões são identificadas durante o exame odontológico sem que o indivíduo tenha se queixado de dor.

Mito ou verdade 5 – Consumir muito açúcar ajuda na formação da cárie?

VERDADE Ao ingerir qualquer tipo de carboidrato refinado (pão, macarrão, doces, frutas…) o processo de produção de ácido pelas bactérias que causam a cárie tem início. Este ácido desmineraliza o esmalte dental criando cavidades no dente.

Referência: Associação Brasileira de Odontologia - Mitos e verdades sobre a saúde bucal, disponível em: https://bit.ly/2qlSiny

Vamos falar sobre higiene bucal no autismo

Apresentação1Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Este post irá ajudar na rotina diária dos cuidados bucais. Algo tão importante, pois caso a criança autista tenha cárie ela sentirá dor e a dor desorganizará a criança com TEA, podendo torná-la agressiva e assim, contribuir para o aumento do uso das medicações.

Escova ideal > com cerdas macias ou extra macias, cabeça pequena e cabo longo (quando outra pessoa realiza a escovação) ou cabo normal (quando a própria criança escova seus dentes sozinha).

Creme dental ideal > com flúor na sua composição. Lembre-se que a quantidade colocada na escova é bem pequena.

Para ajudar no abrir a boca > dividir por quadrantes e ir escovando por partes, este vídeo auxilia demais (Dino no dentista).

Como escovar os dentes > a mãe deve iniciar a manipulação oral da criança para dessensibilização. A visita ao cirurgião-dentista precisa ser no mínimo semestral (2 vezes ao ano) e deve-se realizar a higiene bucal pelo menos 3 vezes ao dia.

Material e imagens disponíveis em: Cartilha - higiene bucal para pessoas com TEA

DESCOMPLICAndo – removendo o hábito de chupar o dedo

1. Em primeiro lugar, muita paciência. Nenhum comportamento muda de uma hora para outra, nem com adultos e nem com crianças. É preciso tempo e compreensão durante esse processo.

2. Ofereça à criança um espaço para falar sobre seus sentimentos. Estimule conversas que permitam a expressão das emoções, fale sobre si, pergunte sobre o dia dela e demonstre que se interessa por seus assuntos.

3. Proponha atividades manuais. Recortar, colar, pintar, desenhar… Ao estar com as mãos ocupadas, muitas vezes a criança não se lembra de levá-la à boca.

4. Brinquem de desenhar nas pontas dos dedos, coloquem adesivos ou curativos coloridos. Os “dedinhos enfeitados” podem ser um estímulo a mais para que a criança não os coloque na boca.

5. Interrompa o hábito durante o sono. Quando perceber que a criança está dormindo com o dedo na boca, tire de maneira delicada.

6. Aumente o tempo das mamadas. Se a criança ainda mama no peito, deixa-la sugar por mais tempo pode ajudar, já que chupar o dedo pode sinalizar uma carência afetiva.

7. Não tenha atitudes radicais. Colocar pimenta, pó de café ou qualquer outra substância amarga ou picante nos dedos da criança pode agredir seu organismo e não será eficaz.

8. Não ridicularize a criança na frente de outras pessoas. Essa atitude pode aumentar ainda mais sua ansiedade e insegurança.

9. Ofereça às crianças mais velhas alimentos fibrosos, frutas e legumes.

10. Se a dificuldade persistir procure ajuda especializada. Odontopediatras, fonoaudiólogos, nutricionistas e psicólogos podem orientar a melhor maneira de auxiliar a criança.

Texto retirado do, Blog da Leiturinha (Flávia Carnielli)