Você já ouviu falar sobre fluorose dental?

Imagem: Dicas Odonto

Intimamente ligada à ingestão excessiva de flúor, a fluorose caracteriza-se por manchas (estrias) esbranquiçadas que aparecem nos dentes permanentes. Em casos severos, ocasiona a perda de estrutura dentária. “O flúor é um benefício maravilhoso, mas precisa ser usado com cuidado”, Mary Hayes, Odontopediatra de Chicago.

Estudos realizados no Brasil, indicaram uma alta prevalência de fluorose em crianças de Teresina – Piauí (Moura et al., 2016); prevalência estacionária entre 1998 e 2010 na cidade de São Paulo (Narvai et al., 2013) e baixa prevalência no sul do nosso país (Azevedo et al., 2014).

Nos Estados Unidos, pais de mais de 5 mil crianças de 3 a 15 anos foram entrevistados e concluiu-se que 40% das crianças norte-americanas entre 3 e 6 anos costumam encher a escova com o creme dental –  fato super perigoso para desenvolver a doença.

Mas, lembrando que somente o EXCESSO de flúor é prejudicial. A exposição ao flúor da água potável, o consumo de alimentos preparados com água fluoretada e a escovação diária com creme dental com flúor podem ser recomendadas para controlar a progressão da cárie em nível populacional (Aimée et al., 2017).

Leia + sobre o assunto aqui no Descomplica: https://descomplicaodontopediatria.com/2018/07/16/descomplicando-o-fluor-na-agua/

https://descomplicaodontopediatria.com/2018/04/28/dra-tassia-qual-a-quantidade-de-creme-dental-devo-usar/

Bibliografia consultada:

Epidemiological surveillance of dental fluorosis in a city with a tropical climate with a fluoridated public drinking water supply; Moura et al., 2016.

Dental fluorosis in children from São Paulo, Southeastern Brazil, 1998-2010; Narvai et al., 2013.

Factors associated with dental fluorosis in school children in southern Brazil: a cross-sectional study; Azevedo et al., 2014.

Dental caries, fluorosis, oral health determinants, and quality of life in adolescents; Aimée et al., 2017.

https://revistacrescer.globo.com/Criancas/Saude/noticia/2019/02/40-das-criancas-usam-mais-pasta-de-dente-do-que-deveriam.html

Diga não a esta ideia!

A Administração de Medicamentos e Alimentos dos Estados Unidos (FDA U.S.) publicou hoje, dia 20 de dezembro, um alerta oficial sobre os riscos de segurança que as joias usadas para aliviar a dor da dentição representam para as crianças (o popular colar de âmbar). Houve relatos de morte e ferimentos graves em bebês e crianças, incluindo estrangulamento e asfixia.

Aqui no BLOG já falamos sobre o assunto e eu, Dra. Tássia, NÃO recomendava o uso deste dispositivo (link do post abaixo). FIQUEM LIGADOS!

Leia mais aqui no blog: https://descomplicaodontopediatria.com/2018/03/12/vamos-falar-sobre-colar-de-ambar/

Não deixe seu filho roer as unhas

O hábito de roer as unhas é prejudicial! Ao roer unhas podem-se abrir machucados nos dedos que servem de porta de entrada para vírus e bactérias. Além disso, quem engole unha pode ter pequenas lesões no estômago ou no intestino.

E sabe o que mais?

A criança que roí unha tem maior chance de apresentar bruxismo (ranger dos dentes), segundo artigo científico publicado recentemente (Prevalence of probable sleep bruxism and associated factors in Brazilian schoolchildren).

Leia mais em: https://descomplicaodontopediatria.com/2018/07/27/dra-tassia-meuminha-filhoa-aperta-os-dentes-e-agora/#more-2105

Come iogurtes? Então atenção!

Apenas 2% dos iogurtes destinados as crianças são de baixo teor de açúcares. A maioria dos iogurtes (tipo “danoninho” e outros) tem a mesma concentração de açúcar que um refrigerante comum. 

“Com um iogurte e um petit suisse de manhã, uma criança de quatro anos já consumiu mais açúcar que o recomendado — e ainda falta o dia inteiro para comer”.

Notícia completa disponível em: https://bit.ly/2ztMuNQ